Já Ouviu Falar De: Sara Bareilles

Sara Bareilles nasceu em Eureka,Califórnia,7 de Dezembro de 1979 e é cantora,compositora e pianista! E as músicas dela são perfeitas,P-E-R-F-E-I-T-A-S,elas são muito fofas e os clipes também!

Então chega desse blábláblá e vamos às minhas músicas favoritas:

Love Song:

King of Anything:

Gonna Get Over You:

Uncharted:

Espero que vocês tenham gostado :)

Anúncios

Crescer

Quando eu era criança a única coisa que eu queria era crescer.

Quando eu cresci a única coisa que eu queria era voltar a ser criança.

Acho que a maioria das pessoas também queriam voltar no tempo em que não tinha que se preocupar se estava usando as roupas da moda,com provas,que o menino que você é afim não da miníma pra você,se você ouve as músicas certas e esse tipo de coisa.Voltar na época que o que o mais importante era brincar.

A maioria das vezes quando eu vejo umas crianças eu sinto inveja delas,sempre sorrindo,sem nenhum tipo de preocupação ou responsabilidade.Mas eu também me lembro de quando eu era “excluída” de algumas coisas por ser muito nova,eu não entendia o por que de eu ser excluída por ser pequena,eu realmente achava que se eu crescesse eu ia ser feliz de verdade mas não foi bem assim.Cada época das nossas vidas tem coisas boas e ruins.

Quando se é criança você não tem responsabilidades mas também não pode sair com as suas amigas sozinha.

Quando se cresce você já pode sair com as suas amigas sozinha mas tem muitas responsabilidades.

Sem palavras:Meu querido ex-amigo

Imagem

 

Você tinha um amigo que era divertido. Ele começa a namorar e age como um idiota. Eles terminam o relacionamento. Amigo volta a ser divertido e retoma contato. Eles reatam o namoro. O idiota é você.

Não saber conciliar namoro e amizades deve ser uma deficiência genética. A seleção natural deveria adotar estabilidade emocional como critério para evolução da espécie. Instituições de ensino estão perdendo dinheiro em não oferecer cursos rápidos de administração de tempo para pessoas envolvidas em relacionamentos.

Não é uma tarefa fácil. Há trabalho, faculdade, responsabilidades, poucas horas de sono, pouco dinheiro disponível. Quem namora, tem que se dividir em vários. Mesmo assim, não custa nada manter por perto alguém que você considera importante. Apenas seu travesseiro te conhece melhor que os seus amigos.

Para cultivar uma amizade não é preciso muito. Você não precisa sair com o amigo sempre, saber diariamente como ele está ou manter a fofoca atualizada. É uma prestação pontual de serviço personalizado, uma forma espontânea, em duas vias, de manter alguém como parte integrante da sua vida.

É uma bobagem considerar que um namoro seja auto-suficiente. Quem se distancia dos amigos quando entra em um relacionamento acaba transformando o namorado em amigo. Isso, além de baixar o tesão, cria uma dependência desnecessária. Quando o namoro acabar – e ele vai acabar – você vai estar sem namorado e sem amigos.

É por isso que dá pra dizer que orkutizaram a amizade. Banalizaram essa relação. Você pode ter contato com alguém todos os dias, mas isso não os torna amigos. Você pode não ver alguém há um bom tempo, mas saber que uma ligação telefônica acompanhada de um pedido de socorro vai fazer com que ele corra para te ver.

O que fazer com alguém que só é teu amigo enquanto está solteiro? Eu só aceito declaração de amizade se me derem o número de protocolo para poder reclamar depois. E é assim que funciona: a pessoa declara, você anota e, se preciso, presta queixa na Associação de Proteção ao Patrimônio Afetivo. Amizade também é afeto.

Selecione bem os seus amigos e prometa que a saudade de quem se distancia não será maior do que seu amor próprio. Uma pessoa antes próxima, quando se afasta, torna-se mais estranha que qualquer outra.

-Felipe Luno (http://dramaking.org)

*Na tag “Sem palavras” eu pego textos de outros autores.

Lembranças

 

Quando eu estava na 4ª série eu tinha um caderno mas não era um caderno qualquer da escola,nesse caderno pedia para as minha amigas escreverem algum recadinho,desenhar…Eu e aquele caderno eramos inseparáveis era lá que eu escrevia meus segredos,minha opiniões,minhas lembranças de crianças como quando eu ganhei minha primeira bicicleta,quando em um natal eu ganhei um cavalinho da Barbie e coisas tristes que me faziam chorar, como quando o meu cachorro,Pirata,morreu eu não queria falar com ninguém sobre aquilo não conseguia respirar sem cair uma única lágrima de meus olhos.

Um dia uma menina que eu não conversava me deu uma cartinha,mas eu estava tão triste com a morte do meu cachorro que eu não dei bola só abri,fingi que li, e agradeci ela com um sorrisinho falso.

Um ano depois eu mudei de cidade e perdi totalmente a contado com a menina da carta.Eu fiquei quase três anos sem pegar o meu caderno, e uma dia eu estava mexendo nas minhas coisas que ainda estavam em umas caixas de papelão da mudança eu achei o caderno e comecei a folhear-lo vendo todos aqueles desenhos,mensagens e lembrando de certas coisas eu cheguei na pagina onde estava a cartinha,e nela estava escrito assim:

“Oi,eu sei que você não esta querendo falar com ninguém,então eu resolvi escrever essa cartinha :)

E já que eu sei que você não quer falar sobre o seu cachorro eu resolvi fazer um lista de 10 coisas que eu nunca farei:

1-Nunca vou te deixar ficar triste por mais de quatro horas

2-Nunca esperarei um garoto por três horas com chapinha na chuva

3-Nunca serei sofisticada demais para parar de procurar nuvens com formas de unicórnios

4-Nunca comerei um prato de vegetais que eu não consigo pronunciar,a menos que exista um ótimo motivo para comer eles.

5-Nunca esquecerei os momentos difíceis que passamos juntas,como esse.

6-Nunca pararei de acreditar que os cachorros vão para o céu dos cachorros e que um dia você vai encontrar ele de novo.

7-Nunca vou deixar você ir.

8-Nunca partirei o coração de ninguém.

9-Nunca vou deixar de ser sua amiga.

10-Nunca vou te fazer chorar.

Você não conseguiu eu chorei,chorei de felicidade lembrando que quando eu achava que o meu mundo ia acabar com a morte do Pirata tinha alguém,que por mais que eu não queria escutar,que não queria me ver mais triste ainda.

E é sempre nessa hora que bate o arrependimento por não ter feito algumas coisas antes.

Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida no Depois dos Quinze